Avaliações GEO8

Avaliação
i

Correção do 1º teste de avaliação:

Grupo I

1.

d) Regime demográfico primitivo; transição demográfica; e regime demográfico moderno.

2.

b) São baixas, porque as taxas brutas de natalidade são altas e as taxas brutas de mortalidade são também elevadas.

3.

a) França e Portugal.

4.

d) A maioria dos Países Desenvolvidos não asseguram a renovação de gerações.

Grupo II

1.

a) Saldo Migratório.

2.

c) Taxa Bruta de Natalidade.

3.

b) A Alemanha e a Áustria não asseguravam a renovação das gerações.

4.

c) Foi de 1 560 habitantes.

5.

b) Foi de 45 657 habitantes.

6.

a) Falso (F)

b) Falso (F)

c) Falso (F)

d) Verdadeiro (V)

e) Verdadeiro (V)

f) Verdadeiro (V)

Grupo III

1.1.

TBM = Nº total de óbitos População total  ⇔

 

TBM = 109 758 10 291 027  x 1000  ⇔

 

TBM = 10,6654078

 

☞ TBM ≈ 10,7 ‰

 

R: O número total de óbitos ocorridos, no ano de 2017, em Portugal, foi, em média, de 10,7 por cada mil habitantes.

1.2.

TBN = Nº total de nados-vivos População total  ⇔

 

TBN = 85 498 10 291 027  x 1000  ⇔

 

TBN = 8,30801

 

☞ TBN ≈ 8,3 ‰

 

R: O número total de nados-vivos ocorridos, no ano de 2017, em Portugal, foi, em média, de 8,3 por cada mil habitantes.

2.

O Crescimento Natural foi negativo (CN = –24260) pois a Mortalidade (M = 109 758) foi superior à Natalidade (N = 85 498). Tendo em conta apenas o número de óbitos e de nados-vivos, em 2017, a população portuguesa diminuiu 24260 habitantes. Para isso contribuíram, entre muitos outros fatores, os casamentos tardios, a generalização dos contracetivos bem como o aumento da mortalidade devido ao envelhecimento da população.

3.

A pirâmide etária que poderia representar Portugal em 2017 é a pirâmide representada no país “B”.

Grupo IV

1.

A Política demográfica “A” corresponde aos Países Em Desenvolvimento e a Política demográfica “B” corresponde aos Países Desenvolvidos.

2.

A medida que está representada na Figura 4 é a atribuição de subsídios em função do número de filhos.

3.

A afirmação salienta os seis pontos chave:

Limiar mínimo de renovação de gerações:

– 2,1filhos por mulher (para que possam ser compensados os 5% mais de rapazes que nascem em comparação com as raparigas);

O desenvolvimento do país:

– Portugal é considerado um País Desenvolvido;

Duas causas que conduzam à não renovação de gerações:

– Desenvolvimento do planeamento familiar;

– Generalização da utilização de contracetivos;

– Crescente entrada da mulher no mercado de trabalho;

– Aumento da idade do casamento;

– Aumento das despesas com os filhos;

Uma medida para fazer face a este problema:

– Atribuição se subsídios mais elevados e proporcionais ao número de filhos;

– Alargamento da licença de maternidade e/ou paternidade;

– Aumento de creches e infantários públicos;

– Redução do horário de trabalho durante o período de amamentação;

– Flexibilidade do horário de trabalho;

– Assistência médica maternoinfantil gratuita;

– Concessão de facilidades de crédito à habitação para famílias numerosas;

– Benefícios fiscais a famílias numerosas;

Uma consequência da não renovação de gerações:

– Envelhecimento da população;

– Diminuição da população;

– Diminuição da mão de obra;

– Perda de dinamismo e espírito empreendedor.